Facebook YouTube Twitter
Linhas

Informação Útil

Psoriase

A Psoriase é uma doença de evolução crónica com predisposição genética que pode surgir em qualquer altura da vida (tanto na primeira semana de vida como aos 90 anos de idade!).
Os diferentes tratados de dermatologia vão repetindo que a sua incidência ronda os 2% da população; no entanto esse valor deve ficar muito abaixo da realidade pois existem formas “sub-clinicas” ou muito discretas de Psoríase bem como outras situações não diagnosticadas que, deverão aumentar bastante esse número!! Existem factores desencadeantes persos como por exemplo o “stress” ou determinadas infecções por agentes bacterianos sendo a mais conhecida a “infecção de garganta” por uma bactéria denominada de Estreptoco, à qual se segue o aparecimento de um surto de Psoríase “gutata” devido ás suas lesões tipicas de pequenas dimensões simulando gotas.


Psoríase gutata: lesões que surgiram após infecção estreptocócica aguda da orofaringe


É importante referir que apesar do aspecto algo desagradável que por vezes esta doença apresenta o seu curso é inocente com fases de remissão alternando com “crises” de agudização, não sendo contagiosa, e, não obrigando a fazer dieta.

Manifestações clinicas

Existem várias formas de apresentação clinica:

1. A forma Eritrodérmica, grave, felizmente rara, em que está atingido quase todo o tegumento cutâneo e que obriga a internamento em instituição hospitalar pois trata-se de uma situação semelhante á de um “grande queimado”.

2. Psoríase em placas, a mais vulgar, podendo essas placas ser pouco numerosas (mesmo uma única!) ou mais numerosas e, localizando-se tipicamente nos cotovelos e joelhos. As placas estão revestidas de uma “escama” de espessura variável que se for removida deixa uma superficie com um ponteado hemorrágico. As placas de Psoríase podem surgir também no couro cabeludo e causar descamação e prurido (comichão) de intensidade variável também e com incómodo para os pacientes. Quando as placas de Psoríase melhoram costumam deixar manchas na pele de coloração mais clara e, que são temporárias.


Placa tipica de Psoríase Vulgar


Psoríase vulgar - aglomerado de placas de forma e dimensões variáveis


Psoríase vulgar – Lesão do púbis em criança antes e após tratamento


Psoríase - Lesões do couro cabeludo (mesmo paciente das fotos anteriores)
 

3. Psoríase inversa que tem esta designação por as lesões surgirem em locais “não habituais” como por exemplo as pregas (axilas, virilhas, etc.) e com lesões que em vez de placas com escama são máculas eritematosas (manchas vermelhas).


Psoríase inversa - Lesões das virilhas, antes e após tratamento


Psoríase inversa – Lesões numa área “seborreica”: Seboríase. Aspecto antes e após o tratamento


Psoríase - Lesões dos genitais externos, antes e após tratamento


4. Psoríase palmo-plantar uma variante que como o próprio nome indica se encontra localizada nas palmas e nas plantas e, com lesões mistas em que para além das placas e das máculas podem surgir pustulas (“cabeças de pús”) dispersas, mais ou menos numerosas.


Psoríase plantar - antes e após tratamento


Psoríase plantar – antes e após tratamento


5. Psoríase pustulosa, forma rara em que surgem pelo tegumento cutâneo “cabeças de pús”. Essas lesões pustulosas têm de facto pús no seu conteúdo mas, esse pús é estéril, isto é: se fôr efectuada uma análise não encontramos qualquer agente infeccioso!


Psoríase pustulosa: lesão única do púbis – antes e após tratamento


6. Formas sub clinicas ou formas limitadas – podem existir formas de Psoríase limitadas a uma ou mais unhas únicamente, sem lesões cutâneas! Como podem existir lesões mais ou menos acentuadas dos genitais externos que são interpretadas e tratadas durante anos como Eczema, Tinha etc. e só passados uns anos quando surgem outras lesões tipicas num outro ponto da pele é que é feito o diagnóstico correcto. Uma das características clinicas da Psoríase é que muitas vezes o diagnóstico é dificil confundindo-se com outras patologias como o Eczema a Tinha etc.! Mesmo recorrendo a biópsia para exame anatomo-patológico surgem dificuldades e, só a evolução acabará por dar um diagnóstico correcto!! As formas graves da unha, com destruição total da mesma, são precedidas de pustulas nos dedos e, por vezes essa destruição é tal que chega a haver amputação espontânea da extremidade do dedo – Acrodermite contínua de Hallopeau.


Psoríase: lesão única da glande – antes e após tratamento


Psoríase - Lesão vulvar em criança, antes e após tratamento


Psoríase - Lesão única vulvar, antes e após tratamento. Estas lesões foram interpretadas e tratadas durante mais de um ano como “micose”


Psoriase – Lesões das unhas


Psoriase – Pormenor de lesões da unha (pitting ungueal)


Psoriase – Acrodermatite contínua de Hallopeau em fase inicial, podendo observar-se uma pustula tipica


Psoríase, lesão grave da unha – Acrodermatite contínua de Hallopeau


Terapêutica

O tratamento da Psoríase pode dizer-se que é um verdadeiro exercício de arte variando de paciente para paciente pois aqui mais do que em qualquer outra patologia, o que resulta num paciente pode não resultar noutro!
No que respeita às formas  sistémicas de terapêutica, as mais utilizadas são: a Acitretina, o Metotrexato, o Micofenolato de Mofetil, a Ciclosporina e, actualmente os denominados Biológicos (injectáveis – uma ou duas injecções semanais). Estas últimos agentes, os Biológicos, são uma nova esperança para os pacientes com Psoríase e, encontram-se limitados às variantes graves da doença que não responderam às formas clássicas de terapêutica, isto, por duas razões de peso: o seu custo muito elevado (aproximadamente 1000 a 1500 euros mensais) e, os efeitos secundários que podem desencadear. São, contudo,  o início de novas formas de tratamento e, nos próximos anos a sua evolução irá não só reduzir os custos como os efeitos secundários!
No que respeita à terapêutica tópica na maior parte dos casos continua a recorrer-se aos Corticóides e aos designados análogos da vitamina D.
Uma palavra para os Imunomoduladores tópicos que têm grande eficácia nas formas de Psoríase Inversa (Pimecrolimus e Tacrolimus).
Finalmente há ainda a referir a Fototerapia (PUVA e UVB) que são úteis nalguns casos, como complemento da terapêutica ou mesmo, como terapêutica única e, em casos excepcionais, o Laser Pulsado de Contraste.


Psoríase: lesões do dorso das mãos e dedos que foram resistentes a toda a terapêutica instituída e cederam ao tratamento com o Laser Pulsado de Contraste

« voltar

© 2018, CLINICA LASER DE BELEM, Todos os direitos reservados. HBRdesign